Febre amarela: pesquisa aponta forma de disseminação do vírus no Sudeste

Um estudo desenvolvido por diversas instituições, entre elas a Fiocruz Minas, mostrou que o vírus que causou o surto de febre amarela no início de 2018, em Minas Gerais, é o mesmo que causou o surto em 2016/2017, mostrando que o vírus persistiu no estado nesses dois últimos anos. A pesquisa levantou ainda a hipótese de que o vírus pode ter vindo do Centro-Oeste do país, tendo em vista os registros epidemiológicos nessa região em 2015.

“Como o vírus da febre amarela é endêmico na Região Amazônica, uma das hipóteses cogitadas era que o vírus causador dos surtos havia vindo de lá e que tivesse chegado ao Sudeste na mesma época em que apareceram os casos. Entretanto, vimos que isso não é verdade, uma vez que o mesmo vírus já estava circulando no estado de São Paulo em 2016”, explica o pesquisador da Fiocruz Minas, Pedro Augusto Alves.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores fizeram um sequenciamento parcial de amostras de pacientes e de carcaças de primatas, afetados pela doença nos últimos dois surtos. Em seguida, eles compararam os resultados do sequenciamento com amostras de diferentes anos e localidades, que estavam armazenadas em um banco de dados. Assim, foi possível compreender a origem do vírus que provocou o grande número de casos de febre amarela no Sudeste.

Para o pesquisador, chama atenção o fato de que o vírus tenha encontrado condições favoráveis de sobrevivência na região Sudeste, durante um longo período, até que começassem a aparecer os primeiros casos em humanos, mantendo-se no Sudeste de 2016 a 2018. Esse fato serve de alerta de que a região Sudeste também pode ter condições climáticas e ambientais para a manutenção do vírus, o que antes imaginava-se ser possível apenas para a região Amazônica.

De acordo com a pesquisa, também merece atenção o fato de o Centro-Oeste possivelmente ter funcionado como área de transição importante para a febre amarela. Devido à sua localização geográfica, o Centro-Oeste poderia estar facilitando a transposição do vírus da Região Amazônia para o Sudeste, como já observado em surtos anteriores.

“Goiás e Mato Grosso já precederam surtos relacionados a várias doenças no Sudeste, o que significa que o Centro-Oeste é uma área chave para as ações de vigilância, não apenas em relação à febre amarela, mas também em relação a outras doenças”, destaca o pesquisador.

As conclusões deste estudo corroboram com os resultados de uma pesquisa publicada pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) em agosto de 2017, em que os cientistas identificaram mutações no vírus que circulou no Espírito Santo durante os surtos recentes e sugeriram que o Centro-Oeste pode ter servido de rota do vírus.

“Outro ponto em comum entre os dois estudos foi a constatação de que o vírus presente no Sudeste também tem características semelhantes a um tipo que circulou na Venezuela, indicando uma possível origem. Mas também é importante lembrar que a Venezuela abriga parte da região considerada amazônica”, comenta Pedro.

O pesquisador afirma que ainda é uma incógnita a forma como esse vírus que provocou os dois surtos irá se comportar daqui pra frente. “O que se sabe, com as pesquisas feitas até o momento, é que o vírus causador das duas epidemias teve uma entrada única no Sudeste. Ou seja, trata-se de um grupo homogêneo que se estabeleceu de forma efetiva e causou estragos ainda não documentados. A forma como ele vai se comportar daqui pra frente é desconhecida, o que reforça a importância de ampliar a cobertura vacinal, medida que o Estado de Minas Gerais já vem adotando”, diz.

O artigo intitulado “Persistência do vírus da febre amarela fora da Bacia Amazônica, causando epidemias no Sudeste do Brasil, de 2016 a 2018”, foi publicado recentemente na revista Plos Neglected Tropical Diseases. O estudo foi desenvolvido por pesquisadores da Fiocruz Minas, Universidade Federal de Minas Gerais, Fundação Ezequiel Dias, Hospital Eduardo de Menezes, Centro de Controle de Zoonoses e Instituto Pasteur da Guina Francesa, com a colaboração da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais e do Laboratório de Zoonoses da Prefeitura de Belo Horizonte.

Acesse o artigo na íntegra.