Fiocruz Minas leva conhecimentos científicos para espaço da ALMG

SNCT_site

Quem passou pelo espaço cultural da Assembleia Legislativa de Minas Gerais na última terça-feira (16/10) pôde conhecer um pouco mais sobre as atividades da Fiocruz, durante o evento em comemoração à Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Ao longo de todo o dia, uma extensa programação -que incluiu exposições, bate-papo com cientistas, show de ciências e dois debates- levou ao público informação de qualidade, entretenimento e muita interação.

Ao todo, foram 14 estandes que abordaram temas como febre amarela, dengue, zika, Chikungunya, doença de Chagas, malária, leishmaniose e xistose. Também tiveram destaque as temáticas sobre sexualidade, animais peçonhentos, ecologia, impressão 3 D, bioinformática, entre outros.

No estante que tratou sobre os objetivos de desenvolvimento sustentável, os visitantes puderam aprender e se divertir ao mesmo tempo, com um jogo de tabuleiro. A estudante Ricelly Regina Simões, da Escola Estadual Professor Zoroastro Viana Passos, revelou que ela e os amigos não tinham muita informação sobre o assunto, mas, com a brincadeira, ficou fácil entender do que se trata.  “Está sendo muito divertido. Nosso grupo já jogou três vezes e, por mim, jogaríamos mais uma. Mas, agora, vamos dar um tempo e visitar outros estandes”, relatou.

Outra atividade que chamou a atenção dos visitantes foi o Show de Ciências. Por meio de experimentos simples, que podem ser repetidos em casa e na escola, foi apresentada uma série de princípios da química e da física. Na plateia, o pequeno Francisco Antonelli Gonçalves, de 6 anos, gostou tanto, que se prontificou a ser voluntário em uma das atividades. No final, ainda deixou sua opinião.

“A parte que eu mais gostei foi a de soprar dentro do frasco para o suco mudar de cor. E também gostei muito daquela mágica que eu participei, usando o suco de repolho roxo”, contou.

Temas variados também estiveram em pauta durante o Cientista ao Vivo. Pesquisadores da Fiocruz conversaram com os visitantes sobre febre amarela, projeto Wolbachia, genômica e vários outros. Do lado de dentro da Assembleia, no Espaço Político-Cultural Gustavo Capanema, houve dois debates: o primeiro, na parte da manhã, com o tema Ciência, tecnologia e inovação na redução de desigualdades e no fortalecimento do estado de MG e soberania do país; e, à tarde, a discussão tratou sobre Violência contra mulheres, feminismo e políticas públicas.

A professora Dayse Regina Mendes Cavalcanti, que acompanhou uma turma de alunos do Instituto de Educação, aprovou as atividades e destacou que eventos desse tipo poderiam ocorrer com mais frequência. “É uma oportunidade para que os alunos interajam com pessoas que fazem ciência. Seria muito bom se pudéssemos ter mais ações dessa natureza”, afirmou.