Egler Chiari

Egler

Egler Chiari. Foto: Currículo Lattes

Egler Chiari nasceu no dia 07 de fevereiro de 1934, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Ap√≥s terminar o ensino m√©dio ingressou no Servi√ßo Nacional de Mal√°ria (SNM), em abril de 1955, registrado na fun√ß√£o de dedetizador. No ano seguinte passou para o cargo de auxiliar de expediente e verbas. Em 1957, ap√≥s organiza√ß√£o administrativa que criou o Instituto Nacional de Endemias Rurais (INERu), continuou exercendo suas fun√ß√Ķes no Centro de Pesquisas de Belo Horizonte (CPBH). J√° em 1961 era lotado como escrevente-datil√≥grafo.[1]

Chiari interessou-se pela biologia trabalhando nesse ambiente de pesquisa.[2] Antes mesmo de entrar para a faculdade publicou seu primeiro trabalho científico, em 1956, com o pesquisador Zigman Brener.[3] O tema era diagnóstico da esquistossomose, área em que iniciou sua carreira científica.

Desde 1959, apesar de classificado como escrevente, ele exercia a atribui√ß√£o de t√©cnico de laborat√≥rio no CPBH, coordenando ‚Äútrabalhos cient√≠ficos sobre terap√™utica experimental […] exames de insetos e moluscos transmissores de doen√ßas, para diagn√≥stico de infec√ß√Ķes; trabalhos de inocula√ß√£o de animais de laborat√≥rio com agentes etiol√≥gicos de doen√ßa de Chagas, leishmaniose, esquistossomose e outras parasitoses; trabalhos de necropsia e exame de animais infectados. […] trabalhos experimentais de quimioterapia em animais […] inqu√©ritos epidemiol√≥gicos, coleta de moluscos, insetos e outros animais transmissores de infec√ß√Ķes, para pesquisas de laborat√≥rio‚ÄĚ.[4] Em 1960 ele ingressou na gradua√ß√£o em Farm√°cia da Universidade Federal de Minas Gerais, terminando o curso em 1963.

No ano de 1966, apesar de ainda registrado como escrevente, suas fun√ß√Ķes correspondiam a de biologista do CPBH.[5] Curiosamente, foi como ‚Äúescrevente-datil√≥grafo‚ÄĚ do Departamento Nacional de Endemias Rurais (DNERu), que Chiari foi autorizado a ausentar-se do cargo por 4 meses, em 1968, para realizar estudos na Universidade John Hopkins, EUA, com bolsa concedida pela Reparti√ß√£o Sanit√°ria Pan-americana.[6] Somente em 1970 consta que ele foi readaptado, como servidor do Minist√©rio da Sa√ļde, ‚Äúno cargo de Pesquisador em Biologia‚ÄĚ.[7] Ao longo da sua carreira, ele desenvolveu v√°rios trabalhos com Zigman Brener, seu orientador de mestrado na disserta√ß√£o intitulada ‚ÄúCrescimento, diferencia√ß√£o e infectividade de formas de cultura do Trypanosoma cruzi mantidas em laborat√≥rio por diferentes per√≠odos‚ÄĚ, defendida na Universidade Federal de Minas Gerais, em 1971. Junto com Brener realizou pesquisas sobre doen√ßa de Chagas, publicando trabalhos sobre ‚Äúpolimorfismo de formas sangu√≠neas do Trypanosoma cruzi‚ÄĚ, agentes quimioter√°picos, diagn√≥stico e teste de drogas[8] al√©m de ter desenvolvido estudos experimentais no campo da esquistossomose.[9] No Centro de Pesquisas Ren√© Rachou (CPqRR), Chiari publicou cerca de 14 trabalhos cient√≠ficos, resultantes de pesquisas desenvolvidas na institui√ß√£o.[10]

Paralelamente √† sua atua√ß√£o no CPqRR, Chiari iniciou carreira docente na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em 1968, na Faculdade de Farm√°cia, e mais tarde no Departamento de Parasitologia do Instituto de Ci√™ncias Biol√≥gicas (ICB). Foi um dos primeiros alunos do Programa de P√≥s-gradua√ß√£o em Parasitologia, que ele ajudou a fundar, pois tamb√©m era professor da universidade. Foi docente da Escola de Medicina de Itajub√°/MG e da Escola de Medicina e Cirurgia de Uberl√Ęndia/MG. Na d√©cada de 1980, j√° como doutor, liderou investiga√ß√Ķes sobre ‚Äúbiologia do T. cruzi in vivo e in vitro‚ÄĚ.[11] Aposentou-se na UFMG em 1992, mas continuou atuando na pesquisa e orienta√ß√£o de alunos de p√≥s-gradua√ß√£o. No ano de 2005 recebeu o t√≠tulo de Professor Em√©rito. Seus trabalhos, no campo da ‚Äúcaracteriza√ß√£o bioqu√≠mica e molecular do¬†Trypanosoma cruzi¬†e¬†diagn√≥stico parasitol√≥gico e quimioterapia experimental da doen√ßa de Chagas‚ÄĚ, possuem impacto internacional, de modo que em 2020, levantamento da revista Plos Biology, incluiu seu nome na lista dos cientistas mais influentes do mundo.[12]

Chiari foi membro da Academia Brasileira de Ci√™ncias, da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Sociedade Brasileira de Parasitologia e Sociedade Brasileira de Protozoologia. Recebeu diversas homenagens ao longo da carreira, como a Comenda Carlos Chagas, do Governo de Minas Gerais (1985); Medalha do Centen√°rio do Instituto Oswaldo Cruz ‚Äď Fiocruz (2000) e Medalha comemorativa pelo Centen√°rio da Descoberta da Doen√ßa de Chagas, da Faculdade de Medicina/UFMG (2009).

Falecido em 2020, Egler Chiari, que come√ßou a vida profissional exercendo fun√ß√Ķes t√©cnicas do SNM, encantou-se pela ci√™ncia, construiu brilhante carreira como professor e pesquisador, publicou 186 artigos acad√™micos,[13] deixando como legado, al√©m do trabalho cient√≠fico, seu entusiasmo e compromisso com o conhecimento.

 

 

Projeto Mem√≥ria. Trajet√≥ria hist√≥rica e cient√≠fica do Instituto Ren√© Rachou ‚Äď Fiocruz Minas.

Coordenador: Dr. Roberto Sena Rocha.

Texto de: Natascha Stefania Carvalho De Ostos ‚Äď Doutora em Historiadora

 

 

[1] FIOCRUZ MINAS. Dados funcionais. Documento interno, s./d..

[2] SILVA, Eliane Lages. Egler Chiari (‚ėÖ1934 ‚Ć2020). Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, vol. 53, 2020, p. 1. Dispon√≠vel em: <https://www.scielo.br/j/rsbmt/a/vD6mRWZCMgTkHzNVsPtJTxx/?lang=en#>.

[3] BRENER, Z.; CHIARI, E.. Considera√ß√Ķes sobre o diagn√≥stico da Esquistossomose mansoni pelo eame coprol√©gico com o m√©todo de Hoffman, Pons e Janer. Rev. Bras. Malariol. Doen√ßas Trop., n. 8, 1956, p. 599-604.

[4] PARAENSE, Wladimir Lobato. Declaração. Documento interno Fiocruz Minas, 15 jan. 1963; LOBATO PARAENSE, Wladimir. Egler Chiari. Documento interno Fiocruz Minas, Belo Horizonte, 1 abr. 1963.

[5] COELHO, Marcello Vasconcellos. Declaração. Documento interno Fiocruz Minas, 12 jul. 1966.

[6] BRASIL. Di√°rio Oficial da Uni√£o, n. 81, 29 abr. 1968, p. 3.440, apud recorte do DOU, Documento interno Fiocruz Minas.

[7] Servidores. Correio da Manh√£, Rio de Janeiro, n. 23.811, 27 nov. 1970, p. 18.

[8] ABC. Egler Chiari. Verbete. Dispon√≠vel em: <https://www.abc.org.br/membro/egler-chiari/>; BRENER, Z.; CHIARI, E.. Susceptibilidade de diferentes amostras de Trypanosoma cruzi a v√°rios agentes quimioter√°picos. Rev. Inst. Med. Trop. S√£o Paulo, n. 9, 1967, p. 197-207; CHIARI, E.; CHIARI, E.. Contribui√ß√£o ao diagn√≥stico parasitol√≥gico da doen√ßa de Chagas na sua fase cr√īnica. Rev. Inst. Med. Trop. S√£o Paulo, n. 8, 1966, p. 13-138.

[9] BRENER, Z.; CHIARI, E.. Ação da Furadina e do Miracil D sobre os estágios iniciais de desenvolvimento do Schistosoma mansoni no camundongo. Rev. Bra. Malariol. Doenças Trop., n. 9, 1957, p. 485-488.

[10] FIOCRUZ; CPQRR. Centro de Pesquisas René Rachou. Comemoração dos 25 anos de existência. Belo Horizonte, CPqRR, 1980, p. 85.

[11] CNPq. Currículo Lattes. Egler Chiari. Disponível em: <http://lattes.cnpq.br/2044185039545611>; SILVA, Eliane Lages. Egler Chiari. Ibidem; ABC. Egler Chiari. Ibidem.

[12] UFMG. Notícias. Morre Egler Chiari, fundador da pós-graduação em Parasitologia do ICB. Disponível em: <https://ufmg.br/comunicacao/noticias/morre-egler-chiari-fundador-da-pos-graduacao-em-parasitologia-do-icb>; IOANNIDIS, John P. A., BOYACK, Kevin W., BAAS, Jeroen. Updated science-wide author databases of standardized citation indicators. PLoS Biol., 18(10), 2020.

[13] CNPq. Currículo Lattes. Ibidem; SILVA, Eliane Lages. Egler Chiari. Ibidem.